FACULDADE SANTA FÉ

FACULDADE SANTA FÉ
CURSOS

LOUVOR

LOUVOR

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Temer ataca Janot e Ministério Público rebate presidente da República FacebookTwitterCompartilhar


Temer ataca e sugere enriquecimento de ex-procurador. Janto cita contratos, depoimentos, gravações ambientais, imagens, vídeos e certidões que "não deixam dúvida" da materialidade do crime
Temer ataca e sugere enriquecimento de ex-
procurador. Janto cita contratos, depoimentos,
 gravações ambientais, imagens, vídeos e
 certidões que “não deixam dúvida” da
 materialidade do crime
O presidente Michel Temer afirmou na terça-feira (27) que a gravação de sua conversa com Joesley, utilizada na denúncia de do procurador-geral Rodrigo Janot contra ele, é uma prova inválida. Durante seu pronunciamento, Temer insinuou que Janot recebeu dinheiro com delação premiada. Mais tarde, o Ministério Público Federal (MPF) afirmou em nota que a denúncia apresentada por Janot, é “baseada em fartos elementos de prova”.

Em uma tentativa de mostrar que está sendo atingido por uma denúncia feita por “ilação”, Michel Temer citou o ex-procurador da Operação Lava Jato Marcelo Miller como alguém que “ganhou milhões em poucos meses” após deixar a força-tarefa e ingressar em escritório de advocacia que negociou acordo de leniência dos delatores do Grupo J&F. Temer levantou a suspeita de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se beneficiou financeiramente da remuneração de Miller, mas negou, no entanto, que estivesse fazendo uma ilação.

Nota do Ministério Público

O MPF rebateu no início da noite desta terça-feira as declarações do presidente Temer. Em nota, o MPF afirma que a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República é “baseada em fartos elementos de prova”, citando laudos da Polícia Federal, registro de voos, contratos, depoimentos, gravações ambientais, imagens, vídeos, certidões, entre outros documentos, não deixando dúvida quanto à materialidade e a autoria do crime.

“O procurador-geral da República pauta-se por uma atuação técnica, no estrito rigor da lei, tanto na esfera judicial quanto na administrativa, e não se furta em cumprir as responsabilidades inerentes ao exercício do ofício”, diz a nota.

“Rodrigo Janot cumpre à risca o comando constitucional de que ninguém está acima da lei ou fora do seu alcance, cuja transgressão requer o pleno funcionamento das instituições para buscar as devidas punições. Se assim não fosse, não haveria um Estado Democrático de Direito”, acrescenta.

Temer classificou a denúncia como uma “peça de ficção” que tem por objetivo revanche e vingança.

“As regras mais básicas da Constituição não podem ser jogadas no lixo, tripudiadas pela embriaguez da denúncia que busca a revanche, a destruição e a vingança”, criticou Temer, que também qualificou o trabalho da PGR como “trôpego”.

Janot também rebate a insinuação feita por Temer referente ao ex-procurador da República e hoje advogado Marcello Miller de que o chefe do MPF teria recebido dinheiro em razão da delação da JBS.

Segundo a nota, a PGR esclarece que Miller não participou das negociações do acordo de colaboração premiada dos executivos do Grupo J&F.

“Ele integrou a assessoria criminal do procurador-geral da República de setembro de 2013 a maio de 2015. De maio de 2015 a julho de 2016, ele foi designado para integrar o grupo de trabalho da operação Lava Jato na PGR, em Brasília”, diz o MPF.

“A partir de 4 de julho de 2016, ele voltou a ser lotado na PR/RJ, com processos distribuídos ao seu ofício, atuando junto ao grupo de trabalho somente como membro colaborador. Ele solicitou exoneração do cargo de procurador da República em 23 de fevereiro de 2017, a qual foi efetivada em 5 de abril de 2017″, informa.

Fonte: Estadão, Reuters/VG

Secretária Isalena Aguiar, prestigia Arraiá junino no Cras do Areal em Chapadinha

Por: Valdivan Alves
Fotos: Samaya
O Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) do Bairro Areal, realizou na tarde desta terça-feira (27) um “arraiá” junino com a participação de familiares atendidos pelos programas sociais desenvolvidos pela Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas).

O evento contou com diversas brincadeiras, inseridas tradicionalmente nas festas do mês de junho, com o intuito de fortalecer a manutenção dos espaços de confraternização, convívio familiar e comunitário.
No evento houve apresentação danças de “quadrilha” movimentaram, sobretudo, os grupos da Melhor Idade que, caracterizados demonstravam descontração e muita disposição para realizar as brincadeiras. No evento marcaram presença a Secretária de Assistência Social Isalena Aguiar, e a secretária adjunta Wegilla Viana.



terça-feira, 27 de junho de 2017

Muçulmanos brasileiros ordenam tortura a quem não cumprir o ramadã: “Pendurem pelas pernas”

Conheça os detalhes mais violentos pregados na doutrina do islamismo e as ameaças a cristãos no Brasil
Do G+
Uma página dedicada ao islamismo no Facebook pregou rituais de tortura aos muçulmanos que não cumprirem o jejum do ramadã, e expôs mais uma faceta da religião tratada como pacífica pela grande mídia, mas que é repleta de castigos e duras penas para seus seguidores que eventualmente pequem.

A página Mesquita Brasil usa a rede social para promover o islamismo no Brasil e já conta com mais de 2,7 milhões de seguidores, e está ligada à Sociedade Beneficente Muçulmana (SBM) e à Comunidade Islâmica, localizada em São Paulo (SP).

Em uma sessão de perguntas e respostas sobre o mês sagrado do Ramadã, a página tem feito explicações sobre a obrigatoriedade de seguir o jejum no ramadã, mês sagradado em que um muçulmano se abstém de bebidas e alimentos ao longo do dia, fazendo refeições somente após o pôr do sol. Em 2017, o período de privação se encerra no próximo sábado, 24 de junho, no início da noite.

“Qual é a sentença para quem quebra o jejum intencionalmente sem motivo nenhum?”, questiona o texto, numa postagem que parece ser uma espécie de guia de respostas para perguntas frequentes.

“Esta pessoa pode estar num grande perigo, segundo Abu Umana […] disse: ‘Ouvi o profeta dizendo: ‘Enquanto eu estava dormindo dois homens vieram e pegaram a minha mão… ‘ e conduziu os ditos e nesses constam: ‘e levaram-me até junto a um povo pendurado pelas canelas machucadas e de cabeças para baixo com bocas escorrendo sangue, e perguntei: quem são essas pessoas? Responderam: são aqueles que quebraram seus jejuns intencionalmente sem motivo nenhum antes do tempo chegar'”, responde a página, citando uma hadith.

Violência

O islamismo, a despeito das alegações de seus fiéis que não agem de forma extremista, é uma religião que tem em seus códigos de doutrina uma afeição à violência, como no caso da sharia (ou shari’ah) – a lei islâmica – que prega a morte a homossexuais ou o decepamento da mão de um ladrão pego em flagrante.

Na mesma página em questão havia publicações sobre a impureza da mulher durante o período de menstruação e o uso de medicamentos ministrados por via anal, como supositórios e injeções.

“Como o Ocidente ainda tenta entender o islamismo apenas pela dicotomia terrorista/não-terrorista, esquece-se de que o terrorismo é apenas um dos vários meios possíveis para a islamização, e que uma terra islamizada, que passa de Dar al-Harb (lar da guerra) para Dar al-Islam (lar da “paz”, ou da submissão), é submissa à shari’ah, a lei civil-religiosa-teológica-cosmológica do islamismo”, comentou Flavio Morgenstein, em artigo para o portal Senso Incomum.

Brasil

A terra tupiniquim há anos vem recebendo atenção dos muçulmanos, que se dedicam a converter evangélicos, numa iniciativa que começa com a apresentação do lado “pacífico” da doutrina islâmica.

A abordagem é feita de formas diferentes, dependendo da corrente que os militantes seguem. Este ano, em abril, um portal cristão brasileiro foi invadido por extremistas muçulmanos que publicaram ameaças: “Judeus e cristãos são porcos sujos”, dizia um dos textos, seguido pela intimidação: “Nós viemos para sua terra. Em breve suas mulheres serão nossas”.

O tratamento dado pelos muçulmanos a quem não segue o islamismo conota desprezo, como relata Morgenstein em seu artigo: “O Alcorão chama não-muçulmanos de porcos e macacos – e o tratamento a eles, como se vê, não é muito melhor”, afirmou.

O texto do escritor e analista político se aprofunda um pouco mais sobre como os muçulmanos enxergam um país em que são minoria, mas que naturalmente ambicionam conquistar e impor seu modo de vida e sua crença.

“Enquanto não são maioria, muçulmanos vivem em Dar al-Hudna, em ‘trégua’ (e não paz) com a terra a ser conquistada, e até cumprem as leis locais. Com maioria populacional, mesmo sem precisar da jihad ou da sua versão moderna, o terrorismo covarde, a lei religiosa, civil, moral, costumes, regras até para escovar os dentes etc serão substituídas pela shari’ah. E as pessoas que tratam o islamismo como a ‘religião da paz’ por nem todos serem terroristas (como nem todo ocidental é um soldado) logo saberão o que é a ‘paz’ (shalam) apregoada pela shari’ah“, explicou.

No Brasil, os muçulmanos parecem apressados e pouco preocupados em se tornar maioria para iniciar sua radicalização, já que setores da religião vêm pregando morte a cristãos e judeus. Essa constatação, pasmem, partiu do principal xeque xiita brasileiro, Rodrigo Jalloul, que afirmou em entrevista à revista Veja que o radicalismo já se faz presente entre os fiéis.

“Alguns xeques erram em focar muito a política e pouco a religião. Eles dizem abertamente que os xiitas são hereges e malditos. Os brasileiros que se convertem não conhecem a história da religião e acabam caindo nessa farsa”, disse.

“A radicalização dos muçulmanos brasileiros deve-se ao excesso de informação disponível, mas sem um filtro adequado. Certa vez, encontrei uma muçulmana sunita na porta da mesquita do Brás [em São Paulo] e convidei-a para entrar. Ela se recusou, pois um xeque sunita lhe havia dito que se tratava de um lugar maldito”, explicou Jalloul, contextualizando seu raciocínio.

Prisão

A ideia de uma religião de paz sucumbe, portanto, ao analisar-se as limitações que a doutrina pregada por Maomé impõe a seus adeptos. “A shari’ah possui penas para mulheres que se exibem em público, que andam desacompanhadas, que encostam em homens quando estão menstruadas. Ou para homossexuais, para não-islâmicos (no caso citado pela Mesquita Brasil, trata-se de um povo inteiro), para adúlteros. E as penas vão de apedrejamento a ser pendurado de cabeça para baixo, seguindo o modo de abatimento halal, o único permitido para se comer cabritos no islamismo (embora comer em outro sentido possa ser permitido em determinadas circunstâncias)”, afirmou Morgenstein, fazendo referência à prática da zoofilia, admitida pela religião em certas circunstâncias.

A menção à zoofilia é um dos temas mais delicados na religião, que permite o sexo com animais apenas para homens. Se uma mulher mantiver relações sexuais com animais, deverá ser executada.

“Um homem pode ter relações sexuais com os animais, como as ovelhas, as vacas, os camelos e outros. No entanto, após alcançar o orgasmo deve degolar o animal”, segundo o aiatolá Khomeini, em um livro publicado no Irã em 1990.

Nesse cenário, os militantes de esquerda – ou “progressistas”, como se autodenominam – que atuam no Brasil pouco falam sobre o extremismo da religião islâmica, e suas considerações que colocam a mulher em posição inferior ao homem, ou pior, que pregam a morte a homossexuais.

Mesmo o Brasil sendo um país em que a maioria é cristã e as demais religiões convivem pacificamente, salvo episódios raríssimos de intolerância, esses grupos ativistas preferem referirem-se aos cristãos como “fundamentalistas” por compreenderem, a partir da Bíblia, que aborto, homossexualidade e outras bandeiras pós-modernas representam pecados passíveis de perdão mediante arrependimento.

domingo, 25 de junho de 2017

U.I. ALEXANDRE COSTA REÚNE ALUNOS E COMUNIDADE NO “ ARRAIA DA ALEGRIA”.

Por: Valdivan Alves


A Escola Municipal U.I. Alexandre Costa, na Rua Gustavo Barbosa, Bairro Corrente em Chapadinha, que tem em como diretora a professora Catarina Guarda, realizou na manhã de sábado (24/06) seu arraial, denominado: “ ARRAIA DA ALEGRIA”.

No evento, os alunos apresentaram danças,quadrilha, escolha da rainha caipira  e várias danças características da cultura nordestina foram apresentadas.

O objetivo é destacar os principais elementos presentes no ciclo junino, valorizar a tradição e ampliar ainda mais os conhecimentos gerais entre os alunos e comunidade, com a ênfase na diversidade cultural.

As comemorações das festas juninas no Brasil, além de manterem as características herdadas da Europa, como a celebração dos dias dos santos, também mesclaram elementos típicos do interior do país e de tradições sertanejas, forjadas pela mescla das culturas africana, indígena e europeia. Sendo assim, as comidas típicas (como a pamonha), as danças, o uso de instrumentos musicais (como a viola caipira) nas festas, etc., tudo isso reflete milênios de tradições diversas que se imbricaram. 
O objetivo da realização de um arraial dentro da escola é justamente para garantir a integração entre professores, alunos e os pais, para que possamos fortalecer o laço entre a escola e a comunidade, resgatando o valor da escola para a comunidade, dessa forma, a escola reproduziu diversas manifestações artísticas em suas apresentações. Nossa equipe também esteve no local e constatou a belíssima decoração e boa organização do evento.



 Veja  AQUI mais fotos  do evento

sexta-feira, 23 de junho de 2017

VÍDEO :Marcelo Rezende agradece orações: “vou seguir o que Deus mandar”

“É Ele que sempre guiará a minha vida”, disse o apresentador

Depois de semanas sem novas publicações no Instagram, Marcelo Rezende voltou a se pronunciar por meio de suas mídias sociais. Em uma publicação, o apresentador esclareceu o sumiço em suas redes.

“Eu fiquei alguns dias sem dar notícia, mas é porque eu estava em pleno tratamento. É assim mesmo: uma hora eu trato um pouco, agora estou em casa, continuo o tratamento em casa”, disse Rezende.

O apresentador do Cidade Alerta, que estava em uma espécie de retiro o qual chamou de “farmácia de Deus”, posou em uma foto com a namorada, Luciana Lacerda, e ainda aproveitou para mandar alguns recados aos fãs.


“Mas eu quero dizer uma coisa, na verdade várias coisas. A primeira é o quanto eu sou grato a você, pode estar orando por mim. Segundo, que eu não duvido nem tenho medo. Eu vou seguir cada passo que Deus mandar. Foi Ele que sempre guiou a minha vida e é Ele que sempre guiará a minha vida”.


Marcelo está esperançoso na melhora do seu quadro. “Um novo momento vem aí, um momento de cura e de amor”, concluiu.

    Tratamento

Marcelo Rezende desistiu do tratamento de quimioterapia, considerado o mais eficiente contra o câncer no pâncreas, para tentar um tratamento alternativo, conciliado à leitura bíblica.

“Não adianta você curar o físico sem ter à frente o espiritual. E eu cuido muito do lado espiritual, porque quem está fazendo essa travessia da cura é Deus, é Ele quem me conduz”, disse o apresentador, em um outro vídeo divulgado na internet.

Com informações:GP

Ministro Fachin diz que não se pode “demonizar a política”

ministro Edson Fachin
O ministro Edson Fachin disse que não está na justiça criminal “a resposta de todos os males” do BrasilCarlos Moura/SCO/STF

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), disse hoje (23), em Brasília, que não se pode “demonizar a política”, afirmando, em seguida, que não está na justiça criminal “a resposta de todos os males” do Brasil.

O ministro discursou na abertura de uma palestra, organizada por ele, em um dos plenários do STF, sobre Fraternidade e Humanidade no Direito. Ele disse que “não há crise institucional no Brasil”, podendo o país “orgulhar-se da democracia que tem”, mas acrescentou ser necessário avançar no que chamou de “redenção constitucional”.

“Nela não está em primeiro plano a atuação hipertrofiada do magistrado constitucional, embora deva, quando chamado, responder com firmeza e serenidade. Em primeiro plano está a espacialidade da política, dos representantes da sociedade e a própria sociedade”, disse.

Antes, Fachin afirmou que “nenhum juiz com verdadeira vocação condena por ódio”. O ministro destacou que, ao completar neste mês dois anos de STF, seu gabinete acumula 142 inquéritos penais, 117 dos quais vinculados à Lava Jato, todos envolvendo políticos com prerrogativa de foro no STF como parlamentares e ministros.

Apesar disso, Fachin ressaltou a importância “da democracia representativa, da sociedade, do Parlamento e dos parlamentares, dos agentes públicos que, mesmo nos dissensos, constroem consensos”. 

Fonte:AB

Caminhão com madeira ilegal é apreendido em Chapadinha

A VIII Semana Municipal do Meio Ambiente de Chapadinha não ficou apenas na teoria.

Depois do curso de capacitação dos guardas civis realizado pelo batalhão ambiental da Polícia Militar, as duas instituições realizaram, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Polícia Rodoviária Federal e a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), uma operação de fiscalização que apreendeu um caminhão carregado de madeira irregular proveniente de desmatamento ilegal.


O material apreendido foi doado para o Centro de Ciências Agrárias e Ambientais – Campus IV da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e será utilizado em experimentos nos cursos. O secretário de Meio Ambiente Eduardo Sá esteve pessoalmente na entrega acompanhado do assessor especial de infraestrutura e professor da UFMA, Telmo José.

“Ações como esta passarão a ser constantes. A guarda civil municipal está preparada para ampliar sua ação em defesa do meio ambiente”, afirmou o secretário.


quinta-feira, 22 de junho de 2017

Cerca de 5% da população mundial consumiu drogas em 2015, diz relatório da ONU

O Relatório Mundial sobre Drogas da ONU, divulgado nesta quinta-feira (22) em Viena, mostra especial preocupação pela situação de 29,5 milhões de pessoas que sofrem com transtornos graves pelo consumo de drogas, incluída a toxicodependência
O Relatório Mundial sobre Drogas da ONU, divulgado nesta quinta-feira (22) em Viena, mostra especial preocupação pela situação de 29,5 milhões de pessoas que sofrem com transtornos graves pelo consumo de drogas, incluída a toxicodependência
De acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado nesta quinta-feira (21), 5% da população mundial consumiu algum tipo de droga em 2015, o que se traduz em aproximadamente 250 milhões de pessoas, e pelo menos 190 mil morreram neste mesmo ano por causas diretas relacionadas com entorpecentes. As informações são da Agência ‘EFE’.

O Relatório Mundial sobre Drogas da ONU, divulgado nesta quinta-feira em Viena, mostra especial preocupação pela situação de 29,5 milhões de pessoas que sofrem com transtornos graves pelo consumo de drogas, incluída a toxicodependência, e que são os mais vulneráveis. Só uma de cada seis pessoas que requer tratamento por estes transtornos recebe assistência, a maioria nos países desenvolvidos, aponta o reporte elaborado pelo Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Delito (UNODC).

O número de consumidores de drogas se mantém estável há cinco anos, mas os responsáveis pelo relatório advertem que o mercado das drogas está se diversificando com o surgimento de novas substâncias mais potentes e perigosas. “Aumentou a situação de risco para a saúde pela diversificação e a potência de novas substâncias”, explicou em uma coletiva de imprensa Angela Me, coordenadora do relatório.

A especialista usou como exemplo o fentanil, um analgésico em pó que é até 50 vezes mais potentes que a heroína e que causou numerosas overdoses nos EUA nos últimos anos.

A maconha é a droga mais consumida, com 183 milhões de usuários em 2015, mas os opioides, entre eles a heroína, seguem sendo as substâncias mais nocivas e as que causam mais mortes. “O consumo de opioides está associado ao risco de overdose fatais e não fatais, ao risco de contrair doenças infecciosas (como HIV e hepatite C) devido à prática perigosa de consumo de drogas por injeção”, aponta o relatório.

O diretor da UNODC, Yuri Fedotov, aponta no relatório que “a nível mundial foram registradas pelo menos 190 mil mortes prematuras – na maioria dos casos, evitáveis – provocadas pelas drogas, na maioria atribuídas ao consumo de opioides.”

As estimativas do relatório sobre mortes são muito conservadoras, como reconheceu a própria ONU, se levar em conta que só nos EUA houve 52,4 mil mortes por overdose em 2015. Cerca de 35 milhões de pessoas consumem opiáceos (substâncias que procedem da papoula, como heroína e morfina) ou opioides (substâncias químicas de efeito análogo, como metadona).

Este grupo de drogas, segundo o relatório, “representaram 70% dos impactos negativos para a saúde associada com transtornos por consumo de drogas no mundo todo.” Em uma situação especialmente arriscada estão as 12 milhões de pessoas que se injetam opioides como a heroína. Delas, “uma de cada oito (1,6 milhões) está vivendo com HIV e mais da metade (6,1 milhões) com hepatite C, enquanto cerca de 1,3 milhão sofrem tanto com hepatite C como com HIV”. “Geralmente, morre o triplo de pessoas que consumem drogas por causa da hepatite C (222 mil) do que pelo HIV (60 mil)”, explica o repórter.

Os consumidores de cocaína chegam a cerca de 17 milhões, os de “ecstasy” são 21,6 milhões, enquanto os de anfetaminas são calculadas em 37. O relatório aponta que há indícios de um maior consumo de cocaína nos EUA e Europa, os dois maiores mercados, e que aumentaram os casos de tratamento por consumo desta droga.

O relatório aponta que as anfetaminas, que são estimulantes sintéticos, são a segunda causa de tratamento, atrás dos opioides, por transtornos causados pelo consumo de drogas. O texto também mostra que as “novas substâncias psicoativas”, das quais até 2015 eram mais de 700 tipos, podem supor riscos para a saúde porque sua composição não costuma estar padronizada e pode conter elementos muito nocivos.

Estas novas substâncias sintéticas imitam os efeitos de certas drogas tradicionais, como a maconha, e ao ser mais baratas costumam ser mais atrativas para alguns consumidores. Além das mortes, o relatório aponta para a perda de “anos de vida sã” pelas mortes prematuras e a incapacidade causada pelo consumo de drogas.

Fonte: Correio Braziliense/VG

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Honrar e interceder pela polícia é um dever de todo cristão

Dar a própria vida em favor de outro. Arriscar-se por quem sequer se conhece!

Por Renan Alves da Cruz

Vivemos uma inversão de valores tão excruciante que a imprensa e os círculos intelectuais brasileiros instigam e fomentam a população contra a polícia.

É claro que por trás deste comportamento nojento há um forte componente ideológico, encasquetado nas universidades e transportado às mais diferentes instâncias da vida comum.

Os policiais são muitas vezes marginalizados e tratados como causa da violência que se esmeram e, não raro, dão a vida para combater.

Perceber traços desta inversão em cristãos mostra o quanto as ideologias mais espúrias, advindas do esquerdismo rastaquera, seduzem incautos.

De tantas profissões louváveis, a qual se podem citar os médicos, enfermeiros, professores e etc., os policiais se destacam por colocar suas próprias vidas em risco em favor de pessoas que sequer conhecem.

Quando uma pessoa é feita de refém ou é colocada à mercê de criminosos e o policial é chamado para intervir, sabe que enfrentará risco de morte para proteger alguém que ele nunca viu antes, que pode ser inclusive um de seus tantos críticos. Mas na hora da ação, nada disso é aventado.

Eles se colocam no front para enfrentar aqueles que optaram quebrar o pacto de vida social praticando crimes, mesmo sabendo que a sociedade que ela protege muitas vezes se volta contra ela a seguir.

É papel de todo cristão orar pelos policiais que deixam suas famílias em casa diariamente para proteger as nossas. Interceder para que no momento do confronto, subsistam aqueles que prezam pela lei e pela convivência dentro dos princípios ordeiros consagrados pela vida em sociedade.

Assim como os policiais, os bombeiros também arriscam suas próprias vidas para salvar a de desconhecidos. A diferença é que o heroísmo dos bombeiros é tradicionalmente reconhecido, enquanto os policiais brasileiros, subvalorizados, subequipados e sub-remunerados, recebem petardos de todos os lados, mas mesmo com toda uma conjuntura que os avilta, permanecem colocando suas próprias vidas em risco para salvar as nossas.

Que o Senhor os abençoe, guarde e proteja! Cristo, que deu sua vida em nosso favor, com certeza os honrará e galardoará por tão bela vocação!

Dar a própria vida em favor de outro. Arriscar-se por quem sequer se conhece!

Há profissão mais nobre?